Injeção de SQL

Muitos desenvolvedores web não sabem de como consultas SQL podem ser manipuladas e presumem que uma consulta de SQL é um comando confiável. Significa que consultas SQL são capazes de passar indetectado por controles de acesso, portanto desviando da autenticação padrão e de checagens de autorização, e algumas vezes consultas SQL podem permitir acesso à comando em nível do sistema operacional do servidor.

Injeção direta de comandos SQL é uma técnica onde um atacante cria ou altera comandos SQL existentes para expor dados escondidos, ou sobrescrever dados valiosos, ou ainda executar comandos de sistema perigosos no servidor. Isso é possível se a aplicação pegar a entrada do usuário e combinar com parâmetros estáticos para montar uma consulta SQL. Os exemplos a seguir são baseados em histórias verdadeiras, infelizmente.

Devido à falta de validação de entrada e conectando ao banco de dados usando o super-usuário ou um usuário que pode criar usuário, o atacante pode criar um super-usuário no seu banco de dados.

Exemplo #1 Dividinto o result set em páginas ... e criando super-usuários (PostgreSQL)

<?php

$offset 
$argv[0]; // Cuidado, sem validação de entrada!
$query  "SELECT id, name FROM products ORDER BY name LIMIT 20 OFFSET $offset;";
$result pg_query($conn$query);

?>
Usuários normais clicam nos links 'próxima' e 'anterior' onde $offset é codificado na URL. O script espera que o valor de $offset seja um número decimal. No entanto, e se alguém tentar invadir acrescentando a forma codificada por urlencode() da URL seguinte:
0;
insert into pg_shadow(usename,usesysid,usesuper,usecatupd,passwd)
    select 'crack', usesysid, 't','t','crack'
    from pg_shadow where usename='postgres';
--
Se isso acontecesse, então o script daria de presente acesso de super-usuário ao atacante. Perceba que 0; é para fornecer uma deslocamento válido para a consulta original e terminá-la.

Nota:

É uma técnica comum forçar o avaliador de SQL ignorar o resto da consulta escrita pelo desenvolvedor com --, que é o sinal de comentário no SQL.

Uma maneira de ganhar senha é desviar suas páginas de resultado de busca. A única coisa que o atacante precisa fazer é ver se alguma variável enviada é usada em um comando SQL que não é tratado corretamente. Esses filtros podem ser configurados de forma a personalizar cláusulas WHERE, ORDER BY, LIMIT e OFFSET em comandos SELECT Se seu banco de dados suporta o construtor UNION, o atacante pode tentar adicionar uma consulta inteira à consulta original para listar senhas de uma tabela arbitrária. Uso de campos de senha criptografados é fortemente incentivado.

Exemplo #2 Listando artigos ... e algumas senhas (qualquer banco de dados)

<?php

$query  
"SELECT id, name, inserted, size FROM products
                  WHERE size = '
$size'
                  ORDER BY 
$order LIMIT $limit$offset;";
$result odbc_exec($conn$query);

?>
A parte estática da consulta pode ser combinada com outro comando SELECT que revela todas as senhas:
'
union select '1', concat(uname||'-'||passwd) as name, '1971-01-01', '0' from usertable;
--
Se essa consulta (brincando com ' e --) fosse atribuída para uma das variáveis usadas em $query, a consulta boba acordaria.

Comandos de UPDATE também são suscetíveis a ataques. Essas consultas também são ameaçadas por cortes e acréscimos de uma nova consulta. Mas o atacante pode brincar com a cláusula SET. Nesse caso ele precisa estar de posse de alguma informação sobre o esquema para manipular a consulta com sucesso. Isso pode ser conseguido examinando os nomes das variáveis do formulário, ou simplesmente por força bruta. Não existem muitas convenções para campos guardando senhas ou nomes de usuários.

Exemplo #3 De reinicializando uma senha ... para ganhando mais privilégios (qualquer banco de dados)

<?php
$query 
"UPDATE usertable SET pwd='$pwd' WHERE uid='$uid';";
?>
Mas um usuário malicioso envia o valor ' or uid like'%admin%'; -- para $uid para mudar a senha do administrador, ou simplesmente configura $pwd para "hehehe', admin='yes', trusted=100 " (com um espaço sobrando) para ganhar mais privilégios. Então, a consulta ficará torta:
<?php

// $uid == ' or uid like'%admin%'; --
$query "UPDATE usertable SET pwd='...' WHERE uid='' or uid like '%admin%'; --";

// $pwd == "hehehe', admin='yes', trusted=100 "
$query "UPDATE usertable SET pwd='hehehe', admin='yes', trusted=100 WHERE
...;"
;

?>

Um exemplo assustador de como comandos do sistema operacional podem ser acessados em alguns bancos de dados.

Exemplo #4 Atacando o sistema operacional do servidor (MSSQL Server)

<?php

$query  
"SELECT * FROM products WHERE id LIKE '%$prod%'";
$result mssql_query($query);

?>
Se o atacante enviar o valor a%' exec master..xp_cmdshell 'net user test testpass /ADD' -- para $prod, então $query terá o valor:
<?php

$query  
"SELECT * FROM products
                    WHERE id LIKE '%a%'
                    exec master..xp_cmdshell 'net user test testpass /ADD'--"
;
$result mssql_query($query);

?>
MSSQL Server executa os comandos SQL em um lote incluindo um comando para adicionar um novo usuário para o banco de dados de contas locais. Se essa aplicação estiver sendo executada como sa e o serviço MSSQLSERVER estivesse sendo executado com privilégios suficientes, o atacante teria agora uma conta com a qual poderia acessar essa máquina.

Nota:

Alguns dos exemplos acima estão ligados a bancos específicos. Isso não significa que um ataque similar é impossível contra outros produtos. Seu servidor de banco de dados pode ter uma vulnerabilidade similar de outa maneira.

Técnicas para Evitar Ataques

Você pode dizer que o atacante precisa possuir um pouco de informação sobre o esquema de banco de dados na maioria dos exemplos. Você tem razão, mas você nunca sabe quando e como isso pode ser obtido e, se acontecer, seu banco de dados pode ficar exposto. Se você estiver usando um pacote open source publicamente disponível para lidar com banco de deados, que pode pertencer a um sistema de controle de conteúdo ou forum, os invasores facilmente produzem uma cópia de parte de seu código. Também pode ser um risco de segurança se este for for mal desenhado.

Esses ataques se baseam principalmente em explorar falhas no código escrito sem se preocupar com segurança. Nunca confie em nenhum tipo de entrada, especialmente aquela que vem do lado do cliente, mesmo que venha de um combobox, um campo de entrada escondido (hidden) ou um cookie. O primeiro exemplo mostra como uma consulta inocente pode causar desastres.

  • Nunca conecte ao banco de dados como um super-usuário ou como o dono do banco de dados. Use sempre usuários personalidados com privilégios bem limitados.
  • Verifique se uma entrada qualquer tem o tipo de dados experado. O PHP tem um grande número de funções de validação de entrada, desde as mais simples encontrada em Funções de Variáveis e em Funções de Tipo de Caracteres (ex.: is_numeric(), ctype_digit() respectivamente) além de usar o suporte a Expressões Regulares Compatível com Perl.
  • Se a aplicação espera por entradas numéricas, considere verificar os dados com a função is_numeric(), ou silenciosamente mudar o seu tipo usando settype(), ou usar a representação númerica usando a função sprintf().

    Exemplo #5 Uma maneira mais segura para compor consultas de paginação

    <?php

    settype
    ($offset'integer');
    $query "SELECT id, name FROM products ORDER BY name LIMIT 20 OFFSET $offset;";

    // por favor perceba o %d na string de formato, usando %s seria inútil
    $query sprintf("SELECT id, name FROM products ORDER BY name LIMIT 20 OFFSET %d;",
                     
    $offset);

    ?>

  • Adicione aspas para cada valor não numérico especificado pelo usuário que será passado para o banco de dados com as funções de caracteres de escape (ex.: mysql_real_escape_string(), sqlite_escape_string(), etc.). Se um mecanismo de escape de caracter específico para o seu banco de dados não for disponível, as funções addslashes() e str_replace() podem ser úteis (dependendo do tipo de banco de dados). Veja o o primeiro exemplo. Como o exemplo mostra, adicionar aspas à parte estática da consulta não é suficiente, fazendo com que a consulta seja facilmente atacada.
  • Não imprima qualquer informação específica do banco de dados, especialmente sobre o esquema, custe o que custar. Veja também Relatório de Erros e Funções de Tratamento e Relatório de Erros.
  • Você pode usar stored procedures e cursores previamente definidas para abstrair acesso aos dados para que os usuários não acessem tabelas ou views diretamente, mas essa solução pode ter outros impactos.

Além disso, você ganha em relatar consultas ou dentro do script ou no próprio banco de dados, se esse suportar. Obviamente, o relatório é para previnir qualquer tentativa danosa, mas pode ser útil para ajudar a rastrear qual aplicação foi atacada. O relatório não é útil em si, mas atráves da informação que ele contém. Mais detalhes geralmente é melhor que menos.

add a note add a note

User Contributed Notes 8 notes

up
27
Richard dot Corfield at gmail dot com
2 years ago
The best way has got to be parameterised queries. Then it doesn't matter what the user types in the data goes to the database as a value.

A quick search online shows some possibilities in PHP which is great! Even on this site - http://php.net/manual/en/pdo.prepared-statements.php
which also gives the reasons this is good both for security and performance.
up
7
valerylourie at gmail dot com
6 years ago
Note that PHP 5 introduced filters that you can use for untrusted user input:
http://us.php.net/manual/en/intro.filter.php
up
7
wang dot liang dot com at gmail dot com
4 years ago
another way to stop sql injection when you odbc_*: create two users,
one has only select permission,
the other has only delete, update, and insert permission,

so you can use select-only user to call odbc_exec while you don't have to check the sql injection; and you use d/u/i only user to update database by calling odbc_prepare and odbc_execute.
up
5
ctm at etheon dot net
7 years ago
This is a very helpful document from the MySQL site (in .pdf format) :

http://dev.mysql.com/tech-resources/articles/
guide-to-php-security-ch3.pdf
up
4
jaimthorn at yahoo dot com
5 years ago
dark dot avenger at email dot cz wrote:

"I think that easy way to protect against SQL injection is to convert inputted data into binary format, so that whatever input is, in sql query it will consist only of 1s and 0s."

Unless there is a 1-to-1 correspondence between your inputted data and the characters in your 'binary' format, a SELECT query wouldn't work anymore.  Not a binary format, but it makes my point: MIME encoding the text 'Dark Avenger' results in 'RGFyayBBdmVuZ2Vy'.  If I wanted to look up anyone with 'Avenger' in his/her name, then 'Avenger' would be encoded as 'QXZlbmdlcg==' which clearly wouldn't result in a hit on 'RGFyayBBdmVuZ2Vy'.

If there IS a 1-to-1 correspondence, then EITHER your solution only makes it a bit harder to perform a SQL injection (a hacker would have to figure out what mapping was used between the text and the 'binary' format), OR you've come up with simply another way to escaping your data.  Either isn't a terribly good solution to the SQL injection problem.
up
0
Nikolay Mihaylov
22 hours ago
Because we host several websites, written by different clients, I prepend this file on every php file on my server:

function armor_1234567890_abc(){
    foreach($_REQUEST as $key => $data){
        $data = strtolower($data);

        if (strpos($data, "base64_") !== false)
            exit;

        if (strpos($data, "union") !== false && strpos($data, "select") !== false)
            exit;
    }
}

armor_1234567890_abc();
up
-19
fyrye
4 years ago
Another way to prevent SQL injections as opposed to binary, is to use URL Encoding or Hex Encoding.
I haven't seen a complete example of stopping SQL Injections, most refer to use the mysql_real_escape_string function or param statements.

Several examples at http://en.wikipedia.org/wiki/SQL_injection

Which will stop \x00, \n, \r, \, ', " and \x1a based attacks.
Alot depends on your SQL query structure, though vector level attacks are still viable.

Other than that build your own regex replacement to protect specific queries that could alter or compromise your database/results for specific sections of your processing pages.
Also use unique table and field names. Not just putting _ infront of them...
Example, don't store User/s or Customer/s information in a table named the same.
And NEVER use the same form field names for database field names.
up
-15
nemeth dot zsolt dot dr at gmail dot com
3 months ago
You can avoid the sql injection using views and stored procedures. Never give direct access to tables! Stored procedures can be protected by special parameters (e.g user id + password)
To Top